Como lidar com a birra do seu filho? 18/11/2017




birra infantil está relacionada a frustração e insatisfação, e se manifesta no choro, jogar-se no chão, gritar, jogar brinquedos, entre outras formas

 

Todos nós já nos deparamos com uma cena de birra no supermercado, no shopping, ou em outros lugares. E a primeira coisa que pensamos é que a culpa era dos pais. Certo? Sim, exatamente.

É papel dos pais controlar a birra da criança, porém o que acontece na maioria das vezes é um olhar de conformismo do tipo “ele é assim mesmo” ou que os pais se alterem e percam o controle. A questão de existirem pessoas olhando muitas vezes é um fator que faz com que os pais não saibam o que fazer, porém o real problema está em casa, no dia a dia.

Mas afinal, qual o motivo da birra?

A birra pode acontecer em diversas situações, tais como sono, teimosia, uma vontade não satisfeita, entre outros. Além desses motivos, a birra envolve também fatores mais complexos, como por exemplo, pais que têm dificuldade em impor limites, em dizer não.

Mas vale ressaltar que impor limites é fundamental e a criança vai testar até onde pode ir. Sem eles a criança se perde, não se reconhece. É importante que em casa ao se deparar com situações de manha da criança, sejam evitados gritos, e que mesmo que os pais morem separados, tenham um combinado de um nunca desautorizar o outro. Ser firme com a criança ao dizer não é uma forma de preparo para o que ela irá encontrar no mundo lá fora, onde todos nós temos que respeitar regras. E que ninguém pode ter tudo o que quer. Não é melhor que seu filho aprenda isso com você?

O que fazer?

Os pais geralmente acabam cedendo para encerrar aquela situação, permitindo que a criança não os obedeça. Além disso, também é comum que os pais evitem determinadas situações (não levar a loja de brinquedos por exemplo) afim de evitar que a birra aconteça.  Ao fazer isso, acabam tornando as birras mais prováveis de acontecer.

A principal posição é manter-se firme e não ceder. Ao mesmo tempo, é importante dar espaço para que a criança possa expressar aquilo que está sentindo e o que não está gostando naquele momento. Isso não significa ceder, mas favorecer que a criança se expresse auxilia- a elaborar sua frustração e a colocar sua necessidade para fora sem precisar fazer birra.

Algumas frases como: o que você está querendo me dizer? Do que exatamente você não gostou? Quando você conseguir falar vou estar aqui pra te ouvir, assim não estou conseguindo te entender...podem ajudar a criança a expressar seus sentimentos sem birra.

Algumas crianças apresentam uma argumentação bem desenvolvida, e é importante que os pais não entrem nessa argumentação se explicando demasiadamente. Quando os pais repetem muitas vezes, a criança acaba nem escutando mais o que estão dizendo.  É importante que os pais falem uma vez, percebam se a criança entendeu o que foi dito, e quando ela fizer algo contrário ao combinado os pais a conduzam ao que deveria ser feito.

Por fim, é importante ressaltar a importância de que a criança receba um abraço, colo, e que os pais brinquem com seus filhos. Pais não devem compensar sua ausência com brinquedos, mas com momentos de brincadeira onde há possibilidade de ensinar limites e demonstrar amor. A partir de uma estabilidade emocional mais desenvolvida, raramente a criança apresentará comportamento de birra.

Caso encontre dificuldade em impor limites e lidar com situações relacionadas a birra, um profissional psicólogo pode lhe auxiliar nessas questões. Além disso, a psicoterapia infantil também pode ajudar seu filho a desenvolver maior suporte emocional diante das frustrações e na expressão de seus sentimentos e pensamentos.

 

Karina Remísio de Oliveira

Psicóloga CRP 12/15570

E-mail: karina.remisio@gmail.com

Publicidade



Publicidade