Ansiedade: Quando é hora de procurar ajuda? 14/01/2017





Sintomas de ansiedade são cada vez mais comuns nos dias de hoje.  Se sentir ansioso é algo natural do ser humano, que relaciona-se a perspectiva de futuro ( o quanto queremos ou não que determinado fato aconteça logo), e também a um sinal de alerta que avisa sobre algum perigo iminente, o qual muitas vezes não é algo claro.   A ansiedade geralmente vem acompanhada da sensação de tensão e insegurança, além de sintomas físicos tais como palpitações, sudorese e desconfortos abdominais.

A ansiedade natural é desencadeada a partir de uma razão específica, como por exemplo uma prova ou uma entrevista de emprego. É possível controlar parte da tensão, e esse sentimento é temporário conforme a duração do fator que levou a ele.  Em casos de ansiedade patológica, o indivíduo não tem clareza sobre o que o levou a esse estado, ou o nível de tensão é excessivo em relação à causa.  Nesse caso o indivíduo dificilmente consegue controlar sua ansiedade e insegurança.

Ao se deparar com sintomas físicos, o indivíduo tende a realizar diversos exames médicos para identificar as causas orgânicas desses sintomas. No entanto, é comum que essas causas não apareçam. É nesse momento que levanta-se a hipótese de que possam existir fatores psicológicos que promovem esses sintomas. Nesse momento é fundamental procurar acompanhamento psicológico para identificar possíveis questões envolvidas, e diante das mesmas, encontrar possibilidades de ação.

Quando não tratada, a ansiedade pode provocar diversos danos a vida do indivíduo. Ela afeta negativamente o cotidiano em  diversos contextos, como o profissional e o social por exemplo,  limitando e incapacitando a pessoa afetada. A seguir você conhece alguns dos Transtornos de Ansiedade mais comuns:

Transtorno de Ansiedade Generalizada ( TAG):  É caracterizado pela preocupação excessiva com questões do cotidiano. Pessoas que possuem esse transtorno tendem a estarem tensos a maior parte do tempo, além de apresentarem sintomas tais como inquietude, irritabilidade, falta de concentração, insônia e tensão muscular. A intensidade dos sintomas oscila, porém não aparecem em forma de crises ou ataques. O tratamento é feito pela psicoterapia, e quando necessário também o uso de medicação.

Síndrome do Pânico:  Tem como característica a presença inesperada e recorrente de crises intensas de ansiedade, a partir das quais o indivíduo desenvolve uma preocupação persistente de que essas crises voltem a acontecer. Além dos sintomas físicos, aparecem o medo de perder o controle e o medo de morrer. O tratamento é feito através da combinação entre psicoterapia e medicação. Técnicas de relaxamento também são utilizadas.

Fobia Social:  os sintomas aparecem em situações de interação social, como conversar ou apresentar um trabalho, por exemplo. Quem sofre desse transtorno apresenta o medo de ser avaliado de forma negativa por outras pessoas. Nesse transtorno o tratamento também é através da psicoterapia, e se necessário medicação.

Transtorno Obsessivo Compulsivo ( TOC): A pessoa apresenta pensamentos e comportamentos repetitivos, os quais mesmo admitindo serem irreais, não consegue evita-los.  Isso pode aparecer de forma inofensiva, mas também podem impedir a pessoa de realizar coisas do seu cotidiano caso não cumpra o ritual.  O tratamento é feito com psicoterapia e medicação.

Transtorno de Estresse Pós-Traumático:  É quando o indivíduo vivencia ou toma conhecimento de um evento traumático, e passa a desenvolver comportamentos de esquiva sobre qualquer coisa que o remete a essa situação traumática. Ocorrem episódios de reviver esse trauma durante os sonhos ou acordado,  e frequentemente o indivíduo apresenta sensação de insegurança, impotência e horror, além dos sintomas físicos da ansiedade. Nesses casos o tratamento também é feito com a psicoterapia e se necessário o uso de medicação.

Se identifica com os sintomas da ansiedade patológica? Percebe que eles tem interferido negativamente em seu cotidiano? Não tenha vergonha de buscar ajuda profissional. Tem alguma dúvida? Entre em contato comigo, vai ser um prazer poder ajudar.

 

Karina Remísio de Oliveira

Psicóloga CRP 12/15570

E-mail: karina.remisio@gmail.com

Publicidade



Publicidade