Artigo: Diabetes e a Visão 15/01/2017




Dr. Diogo C. Dalcin

CRM 24.276/RQE 14.632

 

Atualmente, vivemos uma epidemia de diabetes mellitus (DM) em todo o mundo. Estima-se que cerca de 16 milhões de brasileiros convivam com a doença que, quando não tratada adequadamente, pode levar a complicações graves como Infarto Agudo do Miocárdio, Acidente Vascular Cerebral, Insuficiência Renal e até à Cegueira.

Os altos níveis de glicose no sangue podem lesar os vasos sanguíneos de todo o corpo, incluindo os vasos da retina (camada nervosa fundamental para a visão); o comprometimento desta estrutura dos olhos devido à DM é chamado de Retinopatia Diabética. 

Calcula-se que até 80% dos pacientes que tenham diabetes há 25 anos ou mais, sejam atingidos pela retinopatia. Ela pode se agravar com o tempo e a retina passa a sofrer com isquemia, proliferação de vasos, sangramentos, edema e até descolamento.

Diagnóstico

O diagnóstico de retinopatia deve ser feito por um médico oftalmologista ao realizar o exame de fundo de olho (fundoscopia e mapeamento de retina). Além disso, podem ser realizados exames complementares conforme indicação médica. Tal cuidado deve ser redobrado entre os pacientes com muitos anos de diabetes, incluindo gestantes diabéticas, que devem fazer exames oftalmológicos a cada trimestre da gravidez.  

Sintomas

O sintoma mais comum é o embaçamento visual, porém, nas fases mais precoces da doença, podem não existir quaisquer sintomas. Fato este, que pode levar a um diagnóstico em fases mais avançadas.  Os vasos sanguíneos anormais, por serem mais frágeis, podem romper e liberar sangue na cavidade vítrea, obscurecendo a visão. O fluido sanguíneo pode exsudar para a região da mácula (responsável pela visão central), provocando edema e consequentemente alterações visuais.  A efetiva perda de visão significativa pode ser um sintoma muito tardio, por isso é importante não esperar.

Tratamento

Quando a doença nos olhos já está instalada, dependendo do tipo de acometimento, deve ser realizado um controle ainda mais rigoroso do Diabetes. Também podem ser indicadas aplicações de laser, injeções de medicamentos na cavidade vítrea e até cirurgia (vitrectomia).

Como evitar

Para evitar o surgimento ou agravamento da retinopatia diabética, assim como outras complicações da diabetes, o paciente deve adotar hábitos saudáveis, parar de fumar, realizar atividades físicas regulares e ter uma dieta balanceada. É muito importante manter a diabetes sob controle, realizando acompanhamento regular com o médico endocrinologista e toda equipe multidisciplinar.

Para lembrar:

A retinopatia diabética pode não causar qualquer sintoma em sua fase inicial, porém suas complicações podem ser gravíssimas. O diagnóstico precoce é muito importante para o tratamento. Todo paciente com a doença deve consultar, ao menos, anualmente o médico oftalmologista.

 

 

Publicidade



Publicidade